Novas experiências: as jornadas no olhar dos alunos

As XXI Jornadas da Comunicação 2017 contaram com profissionais da área do jornalismo e da comunicação, que trouxeram experiências e histórias sobre o que é trabalhar na área e de certa forma o que espera os alunos, depois de terminarem a sua licenciatura. Isso deveu-se ao empenho dos alunos da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, que tiveram a oportunidade de produzir conteúdos jornalísticos para vários meios de comunicação.

O diretor e professor da licenciatura de Jornalismo e Comunicação, Luís Bonixe, comentou que os alunos têm a oportunidade de ouvir, discutir, debater e refletir sobre assuntos voltados para o jornalismo e comunicação. Para este professor é fundamental ouvir os profissionais da área, sendo “esse debate e essa reflexão, de quem está no mercado de trabalho vem a dizer, e isso é muito importante, pois é um contato que os alunos têm fora da academia junto ao mercado de trabalho”.

Adriana Guimarães destacou que foi interessante trabalhar na redação com os alunos do primeiro ano pois todos estavam motivados. Já Nuno Fernandes, que trabalhou em televisão com alunas de segundo ano considerou que, “foi uma oportunidade de colocarmos em prática alguns conceitos aprendidos em disciplinas do curso no tronco comum. E também para ensinar princípios de uma peça de televisão, que vamos aprofundar no próximo ano. O desafio foi positivo, e ao terceiro dia já estamos mais rápidos a editar uma peça”.

O evento envolveu alunos de todas as turmas do curso que estiveram responsáveis pela sua organização.

Para Diogo Santos, aluno do primeiro ano, foi algo interessante pois deu-lhe uma ideia do que é trabalhar numa redação, “para um aluno do primeiro ano dá uma experiência que vai ser boa para o futuro, e já nos deu ideia do que é trabalhar numa redação”. A experiência também foi positiva para Bárbara Pires, que conseguiu direcionar-se e ter uma certa aprendizagem com a palestra sobre blogs e marcas, “acho que hoje em dia, o futuro do jornalismo para um pouco sobre a opinião sobre o blog, eu sinto que o blog ajuda na escrita”.

Os moderadores do evento também vivenciaram novas experiências. Sara Cruz, aluna do terceiro ano, partilhou com o JC.online a sua experiência enquanto moderadora nas Jornadas da Comunicação “apesar de ter sido um percurso um tanto atribulado, valeu a pena passar por esta experiência”. A aluna finalista confessou-nos que sentiu algum nervosismo por conduzir a conversa, pois encontra-se na vertente de jornalismo, tendo tido neste caso um trabalho acrescido embora tenha sido bastante “enriquecedor tanto a nível profissional e pessoal”.

Conversámos também com Miguel Duarte, aluno do segundo ano de Jornalismo e Comunicação e que moderou o debate “Blogs e marcas: Que relação?”, que nos contou que esta experiência “é uma amostra do que vamos fazer na nossa vida profissional futura, pois o nosso curso exige o permanente contato com pessoas das mais diversas áreas”.

Joana Penderlico, aluna do terceiro ano, contou que trabalhar nestas jornadas pela terceira vez consecutiva continua a ser uma experiência única e gratificante. “São vários meses de trabalho muito exaustivo a convidar pessoas e a receber vários «nãos» como resposta ou até mesmo não ter qualquer resposta… Mas nestes três dias tudo vale a pena. Sentimos que o nosso trabalho está a ser recompensado”.

Também Laura Cabral, aluna do segundo ano de Jornalismo, descreveu como foi ser moderadora de um debate. “Foi uma experiência positiva pois nunca tinha feito nada do género”. A palestra que lhe chamou mais a atenção foi o jornalismo de investigação, “pensa-se que o jornalismo de investigação está posto de lado, mas tem grande importância para que possamos saber o que é verdade e o que não é”.

Este projeto pioneiro na ESECS, só foi possível com a dedicação, empenho e trabalho de equipa de todos os alunos envolvidos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Autores: Eloisa Dias, Patrícia Lopes e Pedro Luís Silva

Topo